Suspensão contrato de trabalho por falta pagamento pontual

Nos casos de falta de pagamento pontual ao trabalhador por parte da entidade empregadora, existem certos direitos que devem ser cumpridos, como o caso da suspensão do contrato de trabalho.

Conheça os seus direitos quando o empregador falta com a obrigação de pagamento de salários ou subsídios no final do mês.

As consequências da falta de pagamento pontual apenas fazem sentido quando existir um período em falta superior a 15 dias, após esse período é possivel ao trabalhador solicitar a suspensão do contrato de trabalho.

.

.

Modo de procedimento quando detetar uma falta de pagamento pontual do seu salário.

Quando a falta de pagamento pontual da retribuição se prolongue por período de 15 dias sobre a data do vencimento, o trabalhador pode suspender o contrato de trabalho, devendo para isso:

– Enviar comunicação à entidade empregadora;
– Comunicar à Autoridade para as Condições do Trabalho*;
– Proceder às comunicações com uma antecedência mínima de 8 dias em relação à data do início da suspensão.

A suspensão do contrato pode ser exercida antes de esgotados os 15 dias, quando o empregador declare por escrito a previsão de não pagamento da retribuição em falta até ao termo desses 15 dias.

A falta de pagamento que se prolongue por período de 15 dias deve ser declarada pelo empregador no prazo de 5 dias, a pedido dos/as trabalhadores/as.

Em caso de recusa a IGT, a pedido do/a trabalhador/a, emitirá a respectiva declaração.

.

Efeitos da suspensão

Durante a suspensão mantêm-se os direitos, deveres e garantias das partes na medida em que não pressuponham a efectiva prestação de trabalho, mantendo o/a trabalhador/a direito à retribuição vencida até ao início da suspensão e respectivos juros de mora (juros legais).

 

.

Cessação da suspensão

– Mediante comunicação do trabalhador ao empregador e à Autoridade para as Condições do Trabalho*, de que põe termo à suspensão a partir da data que expressamente mencione;
– Com o pagamento integral das retribuições em dívida e dos respectivos juros de mora.

.

Direito a prestações de desemprego

A suspensão do contrato de trabalho confere ao trabalhador o direito a prestações de desemprego, durante o período de suspensão, nas mesmas condições exigidas e nos limites fixados no regime de protecção no desemprego.

As prestações de desemprego podem também ser atribuídas em relação ao período de retribuição em atraso, desde que tal seja requerido, não podendo, porém, o seu quantitativo ser superior a um subsídio por cada três retribuições mensais não recebidas.

Confere igualmente direito a prestações de desemprego o não pagamento pontual:

– Da retribuição determinada pela suspensão do contrato de trabalho por facto respeitante ao empregador ou encerramento da empresa por período igual ou superior a 15 dias;
– Da compensação retributiva em situações de crise empresarial.

.

Prestação de trabalho durante a suspensão

Durante a suspensão do contrato de trabalho, o trabalhador pode dedicar-se a outra actividade (ainda que remunerada), desde que não viole as suas obrigações para com o empregador originário (p. ex; lealdade, concorrência) e para com a segurança social (suspensão das prestações de desemprego).

.

*Documento a enviar para a Autoridade para as Condições do Trabalho

VEJA MAIS INFORMAÇÕES NO CÓDIGO DO TRABALHO

CONCORDA OU DISCORDA? ESCREVA O SEU COMENTÁRIO