acidentes-trabalho-prevenir

Saiba o que são acidentes de trabalho e o que pode fazer para os prevenir.

.

Informe-se. A melhor forma de prevenir o acidente é com informação.

A consciencialização e a formação dos trabalhadores no local de trabalho são a melhor forma de prevenir acidentes, a que acresce a aplicação de todas as medidas de segurança colectiva e individual inerentes à actividade desenvolvida.

Os custos dos acidentes de trabalho, para os trabalhadores acidentados e para as empresas, são elevadíssimos.

Prevenir, quer na perspectiva do trabalhador quer na do empregador, é a melhor forma de evitar que os acidentes aconteçam. As acções e medidas destinadas a evitar acidentes de trabalho estão directamente dependentes do tipo de actividade exercida, do ambiente de trabalho e das tecnologias e técnicas utilizadas.

.

O que são acidentes de trabalho?

A definição de acidente de trabalho está estipulada no Decreto-Lei nº 99/2003, de 27 de Agosto, artigos 281 a 301. É acidente de trabalho o sinistro, entendido como acontecimento súbito e imprevisto, sofrido pelo trabalhador que se verifique no local e no tempo de trabalho.

.

Considera-se também acidente de trabalho o ocorrido:

    • No trajecto de ida e de regresso para e do local de trabalho nos termos definidos em regulamentação específica;
    • Na execução de serviços espontaneamente prestados e de que possa resultar proveito económico para a entidade empregadora;
    • No local de trabalho, quando no exercício do direito de reunião ou de actividade de representante dos trabalhadores, nos termos da lei;
    • No local de trabalho, quando em frequência de curso de formação profissional, ou fora do local de trabalho, quando exista autorização expressa da entidade empregadora para tal frequência;
    • Em actividade de procura de emprego durante o crédito de horas para tal concedido por lei aos trabalhadores com processo de cessação de contrato de trabalho em curso;
    • Fora do local ou do tempo de trabalho, quando verificado na execução de serviços determinados pela entidade empregadora ou por esta consentidos.

.

Quais são as causas habituais dos acidentes de trabalho?

Os acidentes de trabalho mais frequentes em Portugal são as quedas e os soterramentos, sendo que as principais principais causas destes acidentes são não seguir as regras de segurança e não utilizar os dispositivos de segurança ou utilizá-los de forma desadequada.

.

Podem também contribuir para o surgimento de acidentes de trabalho:

    • A ingestão de bebidas alcoólicas;
    • As hipoglicémias, que podem provocar lipotímias (desmaios) por falta de alimentação. Por exemplo, quando os trabalhadores não tomam o pequeno-almoço;
    • A fadiga, por não se ter dormido o suficiente ou quando se trabalha por turnos, em especial se o trabalho incluir lidar com máquinas perigosas.

.

Como prevenir acidentes de trabalho?

As acções e medidas destinadas a evitar acidentes de trabalho dependem directamente do tipo de actividade exercida, do ambiente de trabalho e das tecnologias e técnicas utilizadas. Porém, tenha em atenção o seguinte:

    • Faça com que o seu local de trabalho seja confortável;
    • Tenha muito cuidado e siga todas as regras de segurança na realização de actividades mais perigosas;
    • Organize o local de trabalho ou o seu posto de trabalho, não deixe objectos fora dos seus lugares ou mal arrumados. Se tudo estiver no seu lugar não precisa de improvisar perante imprevistos e isso reduz os acidentes;
    • Saiba quais os riscos e cuidados que deve ter na actividade que desenvolve e quais as formas de protecção para reduzir esses riscos;
    • Participe sempre nas acções ou cursos de prevenção de acidentes que a empresa lhe proporcionar;
    • Aplique as medidas e dispositivos de prevenção de acidentes que lhe são facultados, designadamente o uso de vestuário de protecção adequado, como as protecções auriculares para o ruído, óculos, capacetes e dispositivos anti-queda, e equipamento de protecção respiratória, entre outras;
    • Não receie sugerir à empresa onde trabalha a realização de palestras, seminários e acções de formação sobre prevenção de acidentes.

.

Onde obter mais informação especializada sobre acidentes de trabalho?

O ISHST – Instituto para a Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho é o organismo público melhor posicionado para dar informação nesta área.

O instituto publica, também, uma colecção de manuais de prevenção para actividades e sectores de actividade específicos, que contêm toda a informação necessária em matéria de prevenção nas respectivas áreas. O mais recente foi lançado a 26 de Outubro e é dedicado à construção civil: “Construção: Manual de Prevenção”.

4 COMENTÁRIOS

  1. bom dia, venho por este meio colocar uma duvida sobre o trabalho, entro ás 8h até ás 17h ou seja antes das 8 tenho de me deslocar para o local de trabalho e á saida de trabalho tenho de me deslocar para casa tudo isto com o meu transporte propio. a minha duvida e se nessas deslocaçoes em caso de acidente quem é que tem o direito de ser responsavel, eu ou a firma? e o meu transporte propio sou eu o responsavel?

  2. Boas, agradecia encaminhamento a vossas Ex.as., quanto a um acidente de trabalho bastante grave a 11 de setmbro de 1998 que sofri, ao serviço da empresa …, manobrava uma empilhadora do qual aí o acidente que tive, fiquei de baixo da mesma em que tive danos gravíssimos na perna e joelho, braço do qual partido e lesão nas últimas três vertebras, estive internado e fiz num total de 28 operações todas estas com anestesia geral para recuperação da perna membro mais gravemente afectado, e braço…, resumindo após 5 anos de baixa e tratamentos para recuperação pela seguradora, fui a Tribunal de Trabalho onde me foi determinada e dada pela junta médica e peritos uma incapacidade parcial permanente de 55,2%, com IPATH desade a data da alta. Agora a dia 19 de Agosto de 2009 tive uma recaída em que tive uma infecção grave no membro inferior esquerdo, esse mesmo resultante do acidente de trabalho a 11 setembo de 1998 e desde a data da recaída até á data de hoje que ando a ser seguido pela seguradora AXA no Hospital Particular de Lisboa, pela mesma infecção, e onde querer reabrir o mesmo processo pois á data da infecção e depois de essa mesmo ser tratada que tenho dores presistentes e bastante dolorosas principalmente no membro inferior esquerdo do qual na data de acidente me retirarem um músculo na totalidade porque se encontrava passado uns tempos a cangrenar e grande parte dos gémeos no qual numa das últimas intervenções cirúrgicas foi-me fixo o pé através de tendões no qual resultou a imobilidade do mesmo e de seus dedos e do qual grande parte da zona em questão do menbro encontrar-se sem sensação …, requerendo eu mesmo numa das consultas feitas nesse hospital um pareçer médico e relatório dos mesmos das diversas intervenções a que fui submetido para por fim ir a uma consulta de dano para reabrir por fim o processo, desde já informar que foram solicitados por mim exames das diversas especialidaes (ortopedia,plástica, vascular e psicológica) …, que por parte desse mesmo hospital sentir falta profissional por parte dos mesmo pois o meu processo é bastante volumoso e que de certo á data da recaída não foi analisado pelas actuais entidades pois lá está praticamente tudo a que fui submetido desde o acidente e por tudo o que passei e sofri como continuo a sofrer e cada dia que passa mais, foi-me pelo hospital dado exames a fazer ao qual do meu parecer não foram avaliados pois se assim o fosse já me teriam contactado como tbm já estaria resolvido por parte do hospital, posso dizer que na altura da recaída e nas Urgèncias me foi feito Raio X ás zonas do qual me queixava. e me foi dito que tudo estava bem.., fiz tbm um exame de estimulação eléctrica dos nervos solicitado por parte da cirurgia plástica onde o resumo do resultado foi uma desnervação total grave dos músculos do membro examinado, enfim aguardo pela consulta de dano que na altura da mesma não se irá resolver nada pois há exames pedidos não foram realizados por questão de impossiveis de realizar tal como uma ressonância magnética pedida numa das consultas de dano por consequência de diversas queixas de dores presistentes por minha parte em relação á perna, joelho, coluna (últimas três vertebras) que não pude fazer pois tenho uma placa no membro superior direito com 6 parafusos, e devido á placa conforme relatório enviado ao hospital não foi possivel elaborar mesmo exame, e até agora nada…, e como refiro acima as dores tendem em piorar, quanto ás dores tbm referi aos médicos se possível consulta da dôr onde me foi dito que por parte do hospital (companhia de seguros) não haveria, tendo que fazer através do médico de família que defacto me encaminhou para essas mesmas consultas no hospital Curry Cabral onde ando desde então a ser seguido e a tomar diversa medicação para o grau de dôr(no qual eu e médica de família achar que essas mesmas consultas deveriam ser por parte do hospital/companhia de seguros) onde gasto bastante dinheiro nas medicações que não serei reembolsado, bem com este resumo alargado do que passei no qual ninguém sabe o que sofri e sofro actualmenta tanto nos membros afectados como psicológicamente e psiquiátricamente gostaria que vossas Ex.as., que me encaminhassem sobre este assunto que já se arrasta há bastante tempo, o que deverei de facto fazer á minha vida em relação á reabertura do mesmo processo, e ás diversas regalias/benefícios e insencões que deverei ter pela seguradora como tbm pela Segurança Social, e exames/consultas que terei de “exigir” ás diversas identidader referidas pois na minha situação e estado em que me encontro com a incapacidade de 55,2% ou mais depois de reabretura do processo e findo do mesmo, a meu ver não conseguirei exercer as funcões do passado na empresa como noutro tipo de trabalho pois a perna, as dores e inchaços que tenho na mesma diáriamente, joelho e seus ligamentos e coluna e ainda da parte psicológica que me está a afundar cada dia que passa, por parte da companhia já não terei mais acompanhamento pois acham que a parte psicológica e psiquiátrica não tem nada a ver com o acidente de trabalho (e já me tiveram para amputar a perna duas vezes, primeira no dia do acidente, segunda a da infecção quando o cangrenar onde passei 15 dias de sofrimento tanto de dores como psicológicos com acompanhamento da especialidade) e do qual eu achar que sofro de stress pós traumático pois além de estar diprimido ando com a cabeça cheia de ideias que nem ao próximo passam pela ideia, enfim acho que é agora que terminarei esta solicitação de ajuda e informação quanto á minha situação e dúvidas para …, onde e com quê me dirigir, só mais uma dúvida e então terminarei, soube agora há uma semana que a empresa onde trabalho e onde faço parte dos quadros que está em despedimentos colectivos e que mais de metade dos funcionários serão despensados/despedidos e estando eu de baixa a empresa não me poderá despedir pois não, e se depedirem além da pensão vitalícia que me é paga pela seguradora referente aos 55,2% de incapacidade, a minha dúvida é a seguinte além da indeminização normal para pagamento dos anos que trabalhei lá …, a empresa tbm é obrigada a me indeminizar por ter tido este acidente, e que me incapacita em tudo uma grande e bastante parte nas minhas tarefas diárias será ssim!!!, desde já agradeço toda a atenção de vossas Ex.as., quanto a esta minha enorme “confissão” e dúvida esperando uma resposta do que terei de fazer e como, e o que tenho de direito quanto ao seguro e quanto á segurança social para ter isenções regalias e de tratar papeis e quais para me reformar pois em relação ao futuro e no meu estado não me estou a ver e a poder conseguir trabalhar para um patrão / empresa, sendo assim aguardo de vossa parte encaminhamentos correctos para resolver e puder tratar da vida que tenho o mais breve possível.Sem mais de momento e sempre ao vosso dispor para alguma dúvida, um muito obrigado Cristiano Formiga.

  3. um amigo sofreu um acidente de trabalho em uma empresa,conceituada no mercado,ele trabalhava em um local de risco de vida constante,gostaria de saber se esta empresa deveria fazer o seguro de vida, e a quem ou onde recorrer?

DEIXE UMA RESPOSTA